Eficiência energética na indústria: 7 dicas de como começar

eficiência energética na indústria

Você sabe o que significa eficiência energética na indústria? É produzir mais gastando menos energia. Para isso, é necessário reduzir custos, como economizar na conta de luz, por exemplo. 

O setor industrial é responsável por 31,7% do consumo de energia do Brasil. Por isso, é tão importante adotar medidas para a redução de consumo. Além disso, a energia elétrica representa 40% dos gastos na produção industrial brasileira.

Hoje, vamos te mostrar algumas dicas para garantir a eficiência energética na indústria e melhorar os resultados do seu negócio. Acompanhe! 

7 dicas para implantar a eficiência energética na indústria 

Motores elétricos, refrigeração, ar comprimido e iluminação representam mais de 50% dos custos com energia elétrica nas empresas, segundo dados da Confederação Nacional da Indústria (CNI). 

Por ser o setor que mais consome esse recurso, é fundamental adotar práticas para eficiência energética na indústria. 

Para te ajudar nessa missão, separamos algumas dicas para evitar o desperdício no consumo de energia. Confira! 

Cuidado com os monitores elétricos 

Um dos fatores que podem auxiliar na diminuição do consumo de energia é investir em motores de alta eficiência energética. Porém, sabemos que não é algo tão acessível, mas é possível fazer pequenas ações dentro da produção industrial que podem levar ao mesmo resultado.

  • Desligar os motores de máquinas que não estão sendo usadas 
  • Realizar a manutenção das máquinas para evitar mau funcionamento e o aumento de consumo de energia 
  • Verificar frequentemente se os dispositivos de ignição, alinhamento dos motores, ruídos, vibrações e lubrificação dos mancais estão adequados
  • Se certificar de que os motores industriais estão funcionando com 75% a 90% da potência nominal 
  • Não usar motores superdimensionados, ou seja, aqueles que são maiores do que a carga utilizada normalmente 
  • Ajustar a potência dos motores para o carregamento atual 
  • Ajustar a velocidade a necessidade da indústria 
  • Usar motores assíncronos em processos que exijam variação de velocidade 
  • Implantar comandos eletrônicos, que podem ser empregados para ajustar a velocidade de variações da carga 
  • Analisar a qualidade de energia que circula nos sistemas para evitar variações de tensão 

Iluminação também deve ser levada em conta 

A iluminação deve estar adequada ao tipo de atividade que a sua indústria desenvolve e as suas rotinas de produção. 

Para isso, é necessário fazer o cálculo luminotécnico. Ele é responsável por adequar a quantidade e o tipo de luz às tarefas realizadas, segundo a legislação do Brasil. Assim, é possível evitar multas e perda de eficiência energética na indústria. 

Depois que esse cálculo for feito, você também pode adotar outras medidas para reduzir o consumo de energia:

  • Setorizar a iluminação de acordo com as áreas da empresa 
  • Instalar circuitos independentes em cada setor 
  • Aproveitar ao máximo a iluminação natural 
  • Usar relés automáticos que regulam a quantidade de lâmpadas acesas segundo a iluminação natural 
  • Utilizar sensores de presença 
  • Instalar sensores que expulsem o calor gerado por lâmpadas, evitando o uso de ar condicionado 
  • Substituir lâmpadas que produzem calor pelos LEDs

A refrigeração também é importante 

Existem diversos tipos de refrigeração industrial. Alguns deles usam a água gelada como agente resfriador, que depois será transportada para diversos processos produtivos. Já outros contam com a ajuda do evaporador, que elimina o calor do ambiente, como nas câmaras frigoríficas. 

Para reduzir o consumo de energia elétrica, é necessário estipular um protocolo de manutenção preventiva que analise os itens essenciais para a eficiência energética na indústria. 

As dicas abaixo podem ser aplicadas para diminuir o consumo de energia de todos os tipos de refrigeração industrial:

  • Use lâmpadas eficientes para câmaras frias, refrigeradores e sistemas de resfriamento, com o índice de iluminância de 200 lux
  • Evite aproximar fornos, estufas, irradiação solar direta ou qualquer outra fonte de calor 
  • Recicle o calor removido dos ambientes refrigerados instalando trocadores ou bombas de calor 
  • Aproveite a água gelada usando sistemas de acumulação térmica 
  • Regule o termostato de acordo com a necessidade dos produtos e processos para evitar resfriamento e maior consumo de energia 
  • Armazene produtos que precisem da mesma temperatura na mesma câmara 
  • Mantenha as portas e antecâmaras fechadas e vedadas corretamente 
  • Conserve em bom estado a resistência de aquecimento dos evaporadores no congelamento 
  • Mantenha a medida correta de água gelada, vazão de ar e fluido frigorífico 

Evite vazamentos no ar comprimido 

Sistemas de ar comprimido são muito utilizados no setor, e por isso, é necessário encontrar maneiras específicas de implantar a eficiência energética na indústria. 

Eles são usados para transmitir e armazenar energia em processos mecânicos, alimentando equipamentos pneumáticos, limpando peças sob pressão e resfriando componentes da fabricação. Mas também são insumos que representam uma grande parte do processo de fabricação, reagindo com componentes de fórmulas industriais. 

Por isso, o ar comprimido pode causar reações na indústria química, farmacêutica, alimentícia, eletrônica e semicondutores, além do ar preparado para procedimentos hospitalares. 

Veja abaixo como evitar o desperdícios e aumentar a eficiência energética industrial relacionada aos compressores de ar:

  • Faça a manutenção e avalie frequentemente o estado físico do circuito de arrefecimento e a geração dos compressores 
  • Realize a limpeza periódica dos filtros de ar e separadores de óleo 
  • Drene periodicamente o reservatório central 
  • Verifique se há vazamento de ar do sistema de arrefecimento de todos os subsistemas de ar comprimido 
  • Mantenha os mesmos diâmetros das tubulações de distribuição 
  • Quanto menos curvas houver no trajeto da geração à distribuição, melhor.
  • A tubulação mestra deve ser dimensionada para perda de carga máxima de 0,08 kg/cm2 para cada 100m de tubulação.
  • Controle se não há perda de pressão entre o reservatório central e o mais distante ponto de utilização. A perda de pressão máxima admissível é de 0,3 kg/cm 2.
  • Remova ramais inoperantes, para que não gerem acúmulos, perdas e vazamentos.
  • O valor máximo admissível para vazamentos é de 5% para indústrias de médio porte e 10% para indústrias pesadas (como caldeirarias e construção civil).
  • Evite fugas de ar que reduzem a eficiência energética nas indústrias utilizando válvulas de bloqueio com solenóides.
  • Para evitar perdas gerando fluxo de ar compatível com a necessidade, use válvulas de controle de fluxo.
  • Reduza perdas por condensados realizando tomadas de ar para os ramais secundários por cima da tubulação principal. E perto dos equipamentos, para evitar longos trajetos.
  • Drene condensados e evite sua acumulação inclinando a rede 5 mm a 10 mm por metro linear.
  • Trate a água do subsistema de resfriamento.
  • Prefira circuitos regenerativos de arrefecimento.
  • Limpe os intercoolers.

Elimine o desperdício dos transformadores e geradores 

Os geradores são usados para dar continuidade às atividades em caso de interrupção no fornecimento de energia. Já os transformadores adequam a eletricidade comprada ao uso industrial.

Falando especificamente dos transformadores, eles são usados para aumentar ou diminuir tensão e correntes elétricas, tornando a energia recebida da concessionária própria para uso, além de distribuí-la aos circuitos de acordo com as necessidades dos equipamentos.

Na maioria das vezes, a energia é recebida em alta tensão e baixa corrente para evitar danos ao sistema elétrico nacional. Mas, ao chegar na indústria, a tensão precisa ser reduzida pelo transformador para manter a segurança do local.

Dessa forma, os dois aparelhos são fundamentais, mas podem acabar desperdiçando energia, reduzindo a eficiência energética na indústria caso sejam utilizados de maneira errada ou não estiverem em boas condições. 

Sendo assim, confira nossas dicas para evitar esse cenário:

  • Utilize 30% a 80% da potência nominal do transformador para garantir boa faixa de rendimento e longevidade ao equipamento.
  • Tire de operação os transformadores e geradores muito antigos, pois os modernos são mais eficientes.
  • Evite perdas desligando da rede transformadores que não forem utilizados em períodos de até uma semana.
  • Da mesma forma, evite “operar no vazio”. Ou seja, quando houver mais de um transformador ou gerador, acione o que for suficiente para a carga em operação.
  • Ou seja, desligue transformadores e geradores quando a indústria não estiver em operação. Como em períodos noturnos e finais de semana.
  • Avalie ter transformadores e geradores menores para setores que funcionam isoladamente ou com a indústria parada. É o caso dos setores de vigilância, limpeza ou iluminação nos finais de semana. Ou mesmo alguma parte do processo que precise de calor ou resfriamento. Assim, o tamanho do transformador é adequado à carga utilizada, evitando-se desperdício.
  • Havendo mais de um transformador/gerador, distribua bem as cargas do sistema elétrico para cada um, de forma que não operem em baixa carga.
  • A manutenção periódica destes equipamentos evita pontos de aquecimento e deterioração que geram desperdício.

Cuidado com o ar condicionado 

O ar condicionado é utilizado pelas empresas e indústrias para manter a qualidade do ar em relação a temperatura, limpeza, umidade e movimentação. Isso faz com que os funcionários trabalhem de maneira confortável e produtiva dentro do ambiente e também ajuda em alguns processos específicos, como o funcionamento de data centers, controle de umidade de algodão na indústria têxtil, entre outras. 

Mesmo sendo fundamental para algumas operações, o uso constante de ar condicionado pode aumentar o valor da conta de luz. Veja o que fazer para diminuir esse impacto na eficiência energética na indústria:

  • Acione o ar-condicionado uma hora após o início do expediente. E desligue-o uma hora antes do seu encerramento.
  • Controle a entrada de ar externo quanto estiver frio ou em dias quentes. Verifique inclusive se não há penetração de ar intruso a partir de dutos e ventiladores.
  • Instale avisos lembrando os funcionários de manterem as portas e janelas fechadas.
  • Desligue o ar em ambientes desocupados.
  • Mantenha a temperatura ambiental entre 22°C e 24°C, considerada faixa que traz maior conforto térmico.
  • Substitua aparelhos em que a relação entre BTU/h e Watts – ou seja, potência/consumo ­– seja baixa.
  • Faça a manutenção frequente nos equipamentos, observando sempre: alinhamento e tensão de correias, lubrificação de mancais dos motores e limpeza da torre de refrigeração Também limpeza dos aparelhos instalados em janela, limpeza de filtros. E verifique se o tratamento de água e condensação estão adequados ou se há vazamento de fluido da refrigeração.
  • Limpe sempre os ventiladores.
  • Observe o compressor. Ele indica mau funcionamento quando há, por exemplo, acionamento contínuo ou paradas bruscas. Verifique se está bem vedado, para evitar perdas.
  • Quando possível, use cortinas ou persianas em janelas de áreas refrigeradas, para que o sol não prejudique o desempenho.

Analise as instalações elétricas 

Ter instalações elétricas em condições adequadas vai fazer toda diferença na sua eficiência energética na indústria. 

É comum que as indústrias sofram com distúrbios energéticos, responsáveis por aumentar o consumo de energia. Esses problemas podem ser identificados na manutenção preditiva ou no laudo elétrico. 

Nesses processos, é possível analisar erros estruturais em transformadores, disjuntores, chaves, fusíveis, contadores de energia, barramentos e cabos que conduzem a energia para os pontos de utilização. 

Viu como manter a eficiência energética é mais simples do que parece? Se precisar de ajuda, conte com os produtos da MP Automação! Em caso de dúvida, basta entrar em contato conosco!